Caixa: Veja análise dos modelos de prova do Cespe/UnB

google_ad_client = “ca-pub-1460737351724685”;
/* m */
google_ad_slot = “2360348523”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Com
a definição do Cespe/UnB como organizador do concurso para a Caixa
Econômica Federal, os interessados em participar da seleção já iniciam
seus estudos voltados ao estilo do Centro de Seleção vinculado à
Universidade de Brasília. No entanto, como o banco ainda não pode
adiantar qual será o modelo da prova, a FOLHA DIRIGIDA ouviu o diretor
do Gran Cursos, José Wilson Granjeiro, para dar dicas de como deve ser o
estudo para cada um dos estilos possíveis.  Há duas possibilidades de
prova: o tradicional formato do Cespe/UnB, com opções apenas de certo e
errado, sendo que uma resposta errada anula uma certa; ou de múltipla
escolha, com cinco opções e apenas uma alternativa correta, do mesmo
modo como foi aplicada a avaliação na última seleção do banco sob a
responsabilidade deste organizador, realizada em 2010.

google_ad_client = “ca-pub-1460737351724685”;
/* m */
google_ad_slot = “2360348523”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Granjeiro acredita que, neste ano, o modelo implementado deverá ser o
característico do Cespe/UnB, com a apresentação de alternativas que
deverão ser julgadas como certas e erradas. “Eu acredito que vá ser o
tradicional, porque faz o candidato pensar, raciocinar. O Cespe é
interdisciplinar, então não dá para deixar passar nada e, por isso, o
modelo de certo e errado é o mais adequado”, opinou. A pedido da FOLHA
DIRIGIDA, Granjeiro fez uma análise comparativa de como se preparar para
cada modelo possível de avaliação no próximo concurso (veja no quadro
ao lado).

Além disso, segundo ele, esse estilo de prova faz com que o concorrente
não chute, o que favorece quem realmente se preparou para o exame. “Não
pode chutar porque se errar vai perder ponto! Então, quem estudou de
verdade acaba se dando melhor. Acho que haverá muitos inscritos, mais do
que no último concurso, que contou com mais de um milhão de
participantes”. Para o especialista, a seleção da Caixa atrairá muita
gente por conta das possibilidades de crescimento dentro da instituição.
“É uma empresa que valoriza o funcionário, que investe nos jovens
talentos. É um bom concurso para quem quer crescer com estabilidade”,
examinou.

Como estudar para cada modelo?

Certo e errado

  •  Fazer pelo menos 50 questões por dia;
  • Estudar principalmente com base nos concursos da Caixa organizados pelo Cespe;
  • Ver as provas elaboradas pelo Cespe que tenham cobrado as mesmas disciplinas que cairão na Caixa;
  • Não deixar de estudar nenhum conteúdo;
  • Dar foco para os conteúdos de Língua Portuguesa, prática bancária e Matemática;
  • Preparar-se para questões interdisciplinares.

Múltipla escolha
  • Fazer muitos exercícios;
  • Procurar as provas do Cespe que tenham seguido o modelo de múltipla escolha;
  • Estudar principalmente com base nos concursos anteriores da Caixa;
  • Preparar-se com base em provas de outros
    concursos feitos por outras organizadoras, que apresentam a prova no
    modelo tradicional (exemplo: seleções do Banco do Brasil, pela Fundação
    Carlos Chagas, e da Fundação Cesgranrio);


Conheça o cargo em detalhes

O concurso para técnico bancário da Caixa Econômica Federal é um dos
mais aguardados deste novo ano. A previsão é que o edital seja publicado
em janeiro, conforme havia informado o superintendente do banco no Rio
de Janeiro, Arnaldo Barcellos Neto. A exigência é o nível médio, com
remuneração de R$2.715,04, sendo R$1.875 de vencimento base, R$472,12 de
auxílio alimentação/refeição e R$367,92 de cesta-alimentação. Ainda há
outros benefícios, como planos de saúde,
odontológico e previdenciário, participação nos lucros e nos
resultados, auxílio-transporte e incentivo à graduação e pós-graduação
(respeitando critérios de seleção e limitação de vagas).

Na última seleção, realizada em 2012, os candidatos foram submetidos a
uma redação e uma prova objetiva, composta por 60 questões, sendo 30 de
Conhecimentos Básicos (Língua Portuguesa, Matemática, Atualidades,
Ética, Atendimento, História e Estatuto da Caixa e Legislação
Específica) e 30 de Específicos (Conhecimentos Bancários e Noções de
Informática). O concurso também contemplou a área de Tecnologia da
Informação, para a qual foram cobradas as disciplinas de Tecnologia da
Informação e Conhecimentos Bancários II na parte específica. Ainda não
está confirmado se a próxima seleção contemplará essa área.

Além disso, este ano haverá oportunidades para advogado, engenheiro,
arquiteto e médico do trabalho, cargos que requerem o nível superior na
área. A remuneração para advogado, arquiteto e engenheiro é de
R$8.285,04, já incluindo os auxílios, referente a 40 horas semanais.
Para médico, a carga pode ser de 20 ou 30 horas semanais, sendo a
remuneração de R$4.563,04 e R$6.424,04, respectivamente, já com
auxílios.

Fonte: Folha Dirigida

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*